sábado, 5 de fevereiro de 2011

HOLANDESAS NO AQUÁRIO


Na vida só existem duas certezas: a morte e os impostos. Por conta desta frase, eu acredito mais em Benjamim Franklin como profeta do que em Nostradamus.  Os holandeses também: só que em um nível muito mais  sério quando resolvem tarifar as profissionais do distrito da luz vermelha, com alíquotas de 19 % de impostos.

Para alguém de fora como eu, na Holanda as palavras liberdade e libertinagem devem ter um único sentido. Ou se completam. Por lá, é possível consumir nos cafés, sentado em mesinhas, maconha ou haxixe enquanto se lê o jornal, escolher prostitutas em vitrines ou fazer sexo ao ar livre durante o dia num parque público. Tudo dentro da lei.

Eu me lembro que a Holanda só passou a fazer parte do mundo quando eu vi o carrossel da laranja mecânica. Depois vieram as loiras de pernas longilíneas por quem eu me apaixonava nas revistas, já que no início, eu achava que as holandesas eram apenas as vacas que meu pai criava no sítio.

Eu e uma jovem holandesa

Mas eu não sei foi como surgiu a ideia de colocar mulheres na vitrine no distrito da luz vermelha. Se pela dificuldade de pronunciar prostitutas em holandês ou se aquilo é uma evolução em maior escala daquelas máquinas de bichinhos de pelúcia dos shoppings onde a gente colocava uma ficha e tentava capturar um deles com uma garra.

Existe uma terceira hipótese que mais parece uma lenda urbana. Ela reporta aos tempos vikings onde aqueles guerreiros passavam suas tradições e seu nome aos descendentes, do tipo como faziam os indígenas da América. Sabe aquela história de Touro-Sentado e seu filho Touro-Pequeno? Por lá os filhotes vikings eram identificados com o prenome Van Der. O que significa algo como Filho de... E a Invasão Holandesa no século XVII trouxe isso às terras tupiniquins dando origem a nomes como Vanderlene, Vanderley, Vanderlea, Vander Lee, etc. Aliás, eu não sei o que Vander Lee significa: se que dizer filho de Bruce Lee, de Rita Lee ou das calças Lee.

Parece que a ideia surgiu numa época em que os cafetões perceberam que a produtividade dos seus negócios estava caindo porque as prostitutas ficavam muito soltas, sem juízo, e muitas delas ficavam grávidas e a população crescia desordenadamente dando origem a  muitos Van Der Bitch o que onerava os prostíbulos com despesas de criação e adoção.

Mulheres em exposição na vitrine deve ser o horror das feministas xiitas. Ainda bem que o mundo é muito maior que a bolha em que vivemos. O certo é que oferta de mulheres na vitrine é como pescar no aquário: o cara só joga o anzol se o peixe for do seu agrado. Imagino se do lado de fora das vitrines, para o espectador, existe um local com uma fenda e os dizeres “Insert Coin”, como nos flippers.  Aliás, eu me pergunto como é que se taxa o sexo com prostitutas? Se com um leitor de código de barras de pelos pubianos nas partes íntimas das profissionais ou introduzindo um cartão com chip pra detectar o tempo de uso como numa catraca eletrônica. Será que o fiscal de sexo é uma pessoa realizada na profissão?

Por situar-se geograficamente nos Países Baixos, a Holanda já está bem mais perto do Inferno, pro delírio dos capetas de plantão. Já está marcado no Livro de Deus com um X em vermelho: o Dia do Juízo Final começa por lá.

Sob este cenário e uma garrafa de Absinto, Van Gogh certamente cortaria a outra orelha. 

5 comentários:

Poeta Renato Douglas disse...

Adorei seu blog, Faça uma visita e seja membro de nosso blog, você é nosso convidado especial http://poetarenatodouglas.blogspot.com/

Abraços

Antonio José Rodrigues disse...

KKKKKKKKKKKKKKKKKKK
Rapaz, Jorge, eu não sabia que vão tributar "os países baixos". Cara, isso vai recair sobre o consumidor, ou melhor, comedor. Eu não duvido que vc realmente "conhecia" a vaquinha holandesa. Literalmente. Começo a ficar preocupado, pois como nossos políticos gostam de copiar, podem criar uma porcaria dessa também. No Brasil, não sei se funciona, pois já inventtaram muitas leis como, por exemplo, multar pedestre, que não servem para nada. Abraços

Jorge Jansen disse...

Valeu a visita caro Renato! Já estive lá na sua página retribuindo a visita. Valeu!

Jorge Jansen disse...

Caro A.J., relutei em colocar a foto com a vaquinha holandesa por conta de comentários duvidosos desta natureza. KKKKKK!!! Mas não podia perder a piada associativa. Fazer o quê?

Mary Paes disse...

rsrs... é bem divertido o seu blog, amei!!! Legal vc ter me visitado por conta do poema... rsrs... Volte sempre!!! Passarei por aqui de vez em qdo. Beijos