quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

SOBRE CORTES DE CABELO E LÍNGUAS AFIADAS


Sábado fui cortar o cabelo no meu barbeiro habitual (um cara de 47 anos como eu vai ao barbeiro e não ao salão ou ao cabeleireiro.). O corte custa 10 reais, mas vem com ar condicionado, revistas da semana e jornais do dia. Como sempre tem uma lista de espera, aproveitei para dar uma atualizada nas leituras.

Uma das matérias que li numa revista, foi sobre até onde vai a liberdade de expressão nos blogs, cujo teor abordou ações contra blogueiros por conta de comentários publicados nos posts. Em um deles, relata o artigo, um casal, nos preparativos para o casamento, criou um blog e resolveu fazer uma enquete, parece-me que, sobre a qualidade dos doces de uma confeitaria que eles pretendiam contratar. Consta que alguém fez um comentário negativo à imagem ou à qualidade dos doces, de forma que a confeitaria entendeu que isso estava prejudicando os negócios e resolveu acionar os blogueiros na justiça. 

Também me deparei, flanando entre blogs, com um link que levava a uma retaliação devido ao rompimento de um relacionamento amoroso. Antecipava a autora, que descobriu que seu namorado havia lhe sacaneado, pois era casado, tinha filhos e coisa e tal. Daí criou um blog para difamá-lo e largou o endereço na internet. Eu, curioso que sou, fui lá dar uma espiada, mas a página já havia sido retirada.

Soube ainda da história da garota coreana que não limpou o cocô do seu cachorro no metrô e alguém filmou e depois postou as imagens e também o relato de todo o seu passado e de sua família em fóruns de discussão na internet.

Parece-me que existe no íntimo de algumas pessoas a necessidade da fama às custas alheias, talvez levados pela velocidade da informação virtual. Una-se a isso a facilidade do registro na parafernália de gadgeds a disposição destas pessoas.

Confesso que como são situações diversas - retaliação, difamação, denúncias – é difícil opinar o que é certo e o que é errado. Ainda assim, defendo a idéia do indivíduo se manifestar contra algo que venha ser prejudicial a sua integridade ou da coletividade social, mas reconheço também que a nossa liberdade termina onde começa a liberdade do outro. 

Dessa forma, acho que antes de usar a tesoura afiada (não a do barbeiro), deve-se usar o bom senso.  Dizem por aí, que nunca é demais.

2 comentários:

May Santos disse...

Concordo Jorge...
É preciso saber respeitar o outro. Quem usa a internet para difamar a imagem dos outros deveria começar a se dar ao respeito, pois todos nós somos propícios a errar!

Uma ótima tarde pra vc!

Abraços

Renato Baptista disse...

Jorge...

Em primeiro lugar, muito obrigado por sua visita ao meu blog, e do meu filho, o Escrevendo com Arte. Apreciei o seu comentário e, vindo de um cronista como você, saiba que foi uma honra.
Na verdade minha praia não a crônica, sou apenas um intrometido querendo aprender... escrevo poemas e neles me basto como eterno aprendiz.
Convido-o a visitar meu outro blog de poesias: http://academiadapoesia.blogspot.com e a nossa rede social de literatura, que já conta com mais de 200 membros: www.casadapoesia.ning.com e se tiver interesse, cadastre-se por lá, será uma honra recebê-lo.
Quanto ao seu ecrito, meu amigo, sei bem o que você quer dizer... 8 anos de literatura virtual já me fizeram ver de tudo e mais um pouco. Coisas horripilantes e gente cheia de segundas intenções que só tumultuam a vida alheia.
O segredo é saber a distância correta e evitar o máximo possível determinadas coisas e situações.

Abraços* e esteja com Deus meu amigo.

Renato Baptista