quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

A VIDA SEXUAL DOS BRITÂNICOS

Lendo a recente pesquisa divulgada na mídia sobre a sexualidade inglesa onde os dados indicam que os divorciados fazem mais sexo que os solteiros e os casados, me vêm na cabeça o filme "O Sentido da Vida" do Monthy Phynton e as atrapalhadas do Príncipe Charles, o feioso.

Uma das primeiras cenas do filme - o episódio Sexo - mostra um  ríspido professor inglês de ensino médio dando aula de educação sexual para uma turma entediada e sonolenta onde , entre divagações sobre os preliminares, ele apresenta a própria esposa na sala de aula para uma aula prática interrompida diversas vezes por motivos fúteis sempre com o alerta para a classe de: " Prestem atenção pois não tenho nehuma intenção de repetir isso novamente!" Satirizando seus próprios compatriotas, o Monthy Phynton caracteriza o sexo para os ingleses como uma coisa abjeta e desnecessária na vida a dois.

Quanto ao  Príncipe Charles, com sua cara de tédio eterno, parecia preferir uma partida de pólo à  companhia de sua bela esposa, a Princesa Diana. E ele consta nos anais das façanhas tenebrosas, como um dos raríssimos casos de pulada de cerca onde se troca uma princesa linda, jovem e loira, por um jaburu de meia idade com motor quase batido. Queimando o filme de toda a classe masculina. O pior é que depois de viúvo, como todo mundo sabe, juntou os paninhos com o tal jaburu. De certa forma, ratifica a pesquisa considerando o status viúvo/divorciado uma condição similar.

Assim, com relação ao  resultado da pesquisa, imagino que os números revelem que jovens ingleses estão ficando cada vez mais entediados devido a competição entre sexos e por conta disso acabam se tornando seres andróginos; daí, quando adultos e casados, a falta de prática na juventude torna-os formais e britanicamente sisudos a ponto de não conseguirem manter uma relação sexual estável. 

Então quando se divorciam, com o tempo ocioso que lhes circunda, se dão conta da vidinha solitária que levam e adotam a filosofia proustiana de irem em busca do tempo perdido.


O Sentido da Vida: Trecho comentado no post acima:

Um comentário:

May Santos disse...

"...e adotam a filosofia proustiana..."
Adorei!!
kk

parabéns por suas crônicas! Leio sempre e as acho ótimas!

abraços!